Advogados de Elon Musk tentam convencer juiz de que nada no Twitter é sério

Nesta quarta-feira (26) os advogados de Elon Musk pediram que um juiz da Corte Federal da Califórnia indefira um processo de calúnia e difamação contra Elon Musk, que foi aberto por Vernon Unsworth, um explorador de cavernas britânico que foi chamado de pedófilo pelo CEO da Tesla e da SpaceX.

A briga aconteceu em julho, durante o período em que 12 garotos ficaram presos dentro de uma caverna subterrânea na Tailândia, e que precisavam ser resgatados rapidamente pois corriam o risco de acabarem se afogando devido ao período de chuvas no país, quando o nível da água na caverna subia a cada dia.

Ao saber da notícia, Musk revelou pelo Twitter que estava trabalhando junto com seus engenheiros em um modo de resgatar essas crianças, e revelou que a solução encontrada foi criar um mini-submarino que permitiria que um piloto manobrasse pelas passagens estreitas da caverna para resgatar os garotos.

Só que, alguns dias depois, um time de mergulhadores conseguiu resgatar todos os garotos com vida, e sem a ajuda de Musk. Entre os mergulhadores estava Unsworth, que dias depois afirmou em uma entrevista para a CNN que a invenção de Musk não teria nenhuma chance de sucesso no resgate porque as paredes das cavernas tinham curvas muito fechadas, o que impediria qualquer veículo tão rígido quanto um submarino manobrar por ali, adicionando ainda que a melhor coisa que Musk poderia fazer era enfiar o submarino “naquele lugar que não pega sol”.

Com o orgulho ferido, Musk respondeu à provocação usando o Twitter para chamar Unsworth de pedófilo. Questionado pela imprensa, o bilionário não se retificou, dizendo que apostava dinheiro que o mergulhador não passava de um pedófilo e, em um e-mail enviado para o Buzzfeed, respondeu que se Unsworth não gostou do comentário, que o processasse — e foi exatamente o que o mergulhador fez no mês de agosto.

Agora, os advogados de Musk esperam que o juiz responsável pelo processo dê o caso como indeferido, alegando que o Twitter é uma plataforma onde as pessoas inventam histórias o tempo todo, e que os seguidores de Musk sabiam que aqueles comentários eram só uma brincadeira de Musk, e não uma acusação real da conduta do mergulhador.

Os advogados do bilionário ainda defendem que os tweets de Musk estão sob proteção da primeira emenda, e atribuem a natureza do Twitter de ser uma rede social usada para fazer piadinhas e brincadeiras na internet como prova de que os comentários do executivo na plataforma não devem ser levados a sério.

Já L. Lin Wood, advogado de Unsworth, declarou nesta quinta-feira (27) que nem tudo o que é postado no Twitter ou em outras redes sociais pode ser desconsiderado sob a alcunha de “liberdade de expressão”, citando um caso de 1990 da Suprema Corte dos Estados Unidos que cria o precedente que nem todos os artigos de opinião estão isentos das leis de difamação do país. Lin Wood ainda se diz confiante de que o tribunal irá indeferir o pedido dos advogados de Musk, que ele chama de uma tentativa frívola de fazer com que seu cliente não se responsabilize por nenhuma das declarações dadas por ele na internet.

Veja a matéria completa Canaltech

Comentar com o Facebook



Os comentários estão desativados.