Como conectamos usuários a conteúdos de qualidade e apoiamos o jornalismo no Brasil

Todos os dias, milhões de brasileiros acessam o Google para encontrar respostas para ajudá-los a tomar decisões bem informadas. Vivemos um momento em que o acesso a informações confiáveis e de fontes seguras é mais importante do que nunca – seja em função da pandemia de COVID-19, de desastres naturais ou do aumento de protestos civis no mundo todo – e nosso compromisso de oferecer resultados de qualidade na Busca continua sendo uma parte essencial da nossa missão de tornar as informações do mundo cada vez mais acessíveis e úteis.
Fazer isso do jeito certo exige dedicação e afinco, e tudo indica que os brasileiros reconhecem nosso esforço. Em julho, uma pesquisa de opinião realizada pela Kantar a pedido do Google, mostrou que mais de 80% dos participantes acreditam que a Busca contribui para melhorar suas vidas, porque os ajuda a resolver tarefas do cotidiano e a encontrar informações úteis. Já 70% concorda que a precisão e a qualidade dos resultados oferecidos pela Busca continuaram a melhorar nos últimos anos.
Não importa o tipo de informação que você procura, nosso objetivo sempre será conectá-lo com fontes confiáveis, entre elas veículos de jornalismo profissional, com quem compartilhamos o objetivo de deixar o mundo melhor informado.
Sabemos que a indústria de notícias vem enfrentando desafios há algum tempo – começando com o advento do rádio, da televisão e, finalmente, com a chegada da internet, a qual transformou radicalmente o ecossistema de notícias, bem como nossos hábitos e preferências na hora de buscar por informações. Com isso em mente, gostaríamos de contar como apoiamos o jornalismo profissional no Brasil que, em nossa visão, é um pilar fundamental para a democracia no país.
Um intercâmbio de valor
Antes da internet, os veículos de notícias precisavam pagar para que seu conteúdo ficasse em destaque em bancas de jornal e outros lugares, chamando a atenção de potenciais leitores. Hoje, a Busca coloca os brasileiros em contato com sites de notícias milhões de vezes por dia, garantindo acesso à informação de qualidade – e sem qualquer custo para as empresas jornalísticas. Assim, essas empresas têm a oportunidade de ampliar seus negócios ao exibir anúncios dentro de seus sites e também ao oferecer assinaturas para essa audiência. No mundo todo, a Busca faz a ponte entre usuários e sites de notícias 24 bilhões de vezes por mês, em média.
Ao contrário do que muitos pensam, o retorno financeiro que temos ao fazer essa conexão é baixo. Importante notar que não exibimos anúncios no Google Notícias, nem nas abas de resultados de notícias que aparecem na Busca.
Além disso, as pesquisas relacionadas a notícias representaram somente 1,5% do total de buscas feitas através do Google no Brasil em 2019. No mesmo período, o valor gerado pela publicidade exibida acima desses resultados de notícias no Brasil, conhecida como AdWords, foi de US$ 4 milhões (cerca de R$ 20 milhões no câmbio atual) – de receita, não de lucro. Isso representa uma parcela pequena da receita gerada com anúncios na Busca no país, pois a maior parte do nosso faturamento vem de pesquisas com intenções de compra – por exemplo, quando você quer comprar um “tênis de corrida”, digita essas palavras na Busca e depois clica em um anúncio.
Portanto, não é correto afirmar que a maior parte da nossa receita vem da exibição de anúncios em resultados de notícias na Busca. No final das contas, o que nos interessa é ajudar nossos usuários a se manterem bem-informados e, ao mesmo tempo, fazer nossa parte para apoiar um futuro sustentável para o setor de notícias, como vamos mostrar a seguir.
Investimento em tecnologia
Além de direcionar visitas para os sites de notícias, ao longo dos últimos anos fizemos investimentos pesados na criação de tecnologias e serviços de publicidade para ajudar as redações a gerar receita com o seu conteúdo de modo mais eficiente. Muitas empresas jornalísticas brasileiras já usam nossas plataformas de propaganda (como Ad Manager, AdSense e AdMob) para vender seus espaços publicitários para anunciantes.
Em sites jornalísticos que exibem publicidade distribuída pelas plataformas do Google, quando você clica em um anúncio que gostou, a maior parte do dinheiro pago pelo anunciante vai para o veículo de imprensa. O mesmo vale para os casos em que o usuário assiste a um comercial antes de aprender uma receita nova em um canal do YouTube, por exemplo, e a maior parte da receita com a publicidade fica com o criador.
Para ficar claro: a maior fatia da receita gerada por esses anúncios fica com os donos do conteúdo, e não com o Google. Em 2019, os veículos de mídia ficaram, em média, com 69% da receita gerada pela publicidade adquirida por anunciantes usando as nossas plataformas, como Google Ads e Display & Video 360.
Pagamento por conteúdo
As pessoas confiam no Google para ajudá-las a encontrar informações úteis e confiáveis, a partir de uma ampla variedade de fontes. Para manter essa confiança, os resultados da Busca são determinados pela relevância – não por parcerias comerciais. É por isso que não aceitamos que ninguém pague para ser incluído nos resultados orgânicos de busca. Vendemos anúncios ligados aos termos pesquisados pelos usuários, não resultados da Busca, e toda a publicidade exibida em nossas plataformas é claramente identificada.
É também por isso que não pagamos aos produtores de notícia quando as pessoas clicam em seus links em um resultado de pesquisa. Operar de qualquer outra forma promoveria um tratamento desigual, incompatível com a natureza da Busca, e reduziria o poder de escolha e a relevância para nossos usuários – em última análise, resultaria em perda de confiança em nossos serviços.
Há casos em que pagamos por conteúdo, mas eles envolvem a criação de um produto com uma necessidade específica — quando, por exemplo, mostramos o resultado de partidas de futebol ou a previsão do tempo em um painel dedicado, entre outras soluções. Por isso, no início de 2020, anunciamos um novo programa de licenciamento que pagará por conteúdo em uma nova experiência de notícias, a ser lançada em breve. Vários veículos brasileiros – de cobertura nacional, como UOL, Folha de S.Paulo, Estadão e Jovem Pan; ou locais, como O Dia, Jornal Correio, A Gazeta e Folha de Boa Vista – estão entre os primeiros a aderirem, ajudando no desenvolvimento do novo produto.
Esse grupo de publicações está sendo ampliado inclusive para mais países. Nas próximas semanas teremos novidades sobre o assunto. Para nós, este investimento em conteúdo noticioso faz parte do nosso trabalho mais amplo de ajudar a construir um futuro melhor para a imprensa no Brasil e no mundo.
Apoiando o jornalismo
Além disso, por meio da Iniciativa Google de Notícias (GNI, na sigla em inglês) estamos investindo milhões de reais para apoiar o jornalismo e os veículos brasileiros. São projetos de treinamento e formação, ferramentas e programas que auxiliam as redações a inovarem e prosperarem na era digital. Ao longo deste ano, investimos mais de R$ 17 milhões em um fundo emergencial para ajudar a manter em funcionamento mais de 400 veículos do país, que tiveram suas receitas afetadas pela pandemia. Nas próximas semanas, compartilharemos mais informações sobre o impacto da GNI no Brasil.
Sabemos que oferecer acesso a conteúdo preciso e confiável é fundamental para o desenvolvimento, a segurança e bem-estar dos brasileiros. É também algo crucial na luta contra a desinformação, um fenômeno global que representa um desafio para todos e que nós e muitos outros setores da sociedade estamos constantemente buscando formas de enfrentar.
No Google, enxergamos um valor imenso na colaboração. Só seremos capazes de manter a internet aberta, democrática e segura para os usuários trabalhando em conjunto com governos, sociedade civil, academia e setor privado, incluindo organizações de notícias. Nossos esforços demonstram que estamos profundamente envolvidos no apoio a modelos de negócios sustentáveis na indústria de notícias, enquanto também promovemos a manutenção de uma web aberta, diversa e acessível para todo cidadão. É importante, no entanto, reconhecer que não existe solução mágica. Temos o compromisso de apoiar um ecossistema com oportunidades para todos, ao mesmo tempo em que oferecemos experiências seguras e úteis para nossos usuários no Brasil e no mundo.
Postado por Fabio Coelho, presidente do Google Brasil e vice-presidente da Google Inc

View full post on Blog do Google Brasil