Novos detalhes do Sony Playstation 5 mostram por que a próxima guerra de console será divertida


  

A Sony lançou alguns novos detalhes no PlayStation 5 ontem. A manchete tem os detalhes principais: A Sony confirma o nome do PlayStation 5, data de lançamento do feriado de 2020 mas estou curioso para saber como é a sensação de toque em um controle, em vez de apenas estrondear. Eu sinto que os Joy-Cons de "HD Rumble" no Nintendo Switch estão indo na direção certa, mas seus hábitos são muito sutis.

Mas, principalmente, eu amo que os gatilhos dos novos controladores da Sony estejam recebendo feedback real e físico:

A outra grande mudança de que a Sony está falando hoje é uma tecnologia que está chamando de gatilhos adaptáveis, que serão os gatilhos primários R2 / L2 no controlador PS5s. Segundo a Sony, os desenvolvedores poderão programar a resistência dos gatilhos.

Mas isso é apenas o geek do hardware em mim. Botões com resistência variável, dependendo dos parâmetros de um jogo, são simplesmente legais. Você obtém muitas informações apenas a partir do feedback físico em suas mãos, se está verificando a maturidade de uma fruta ou se a maçaneta da porta está girando. Em vez de o mundo digital entrar apenas por seus olhos e ouvidos, ele pode entrar por seus dedos de maneiras mais elegantes e interessantes do que simples estrondos.

A sensação física de uma coisa também tem um efeito desproporcional na sua resposta emocional e afetiva ao que está acontecendo na tela. Prefiro digitar no meu Pixelbook do que digitar no MacBook, principalmente porque o teclado é decente. Embora o Chrome no Mac possa fazer tudo o que puder em um Pixelbook, eu gosto de usá-lo um pouco mais. Essa resposta afetiva importa – os consoles de jogos existem para serem desfrutados.

Ou seja, a menos que eles não existam. Estou realmente ansioso pelo próximo ano de competição no mercado de consoles. É mais dinâmico e interessante do que em qualquer momento nos jogos desde os dias em que a Sega era importante no espaço de hardware.

Sony, Nintendo, Microsoft, Google (e talvez até a Apple?): Todos eles têm estratégias ligeiramente diferentes (e às vezes sobrepostas). Eu acho que esta próxima rodada será muito mais divertida como jogador do que a última rodada da guerra de console.

As duas últimas rodadas da Sony e da Microsoft foram divertidas, mas fundamentalmente eram sobre qual empresa poderia pressionar mais polígonos e obter mais exclusões. A Microsoft tentou mudar essa narrativa, tornando o Xbox One original um hub de mídia de videocassete de última geração, alimentado por Kinect, mas caiu de cara no chão. A Nintendo era um agente divertido do caos, uma figura do Puckish dançando na periferia, mas não estava realmente na luta.

Mas agora, em 2020, você tem:

  • A Sony quer dobrar sua vantagem no PS4, com um lado de streaming de jogos para qualquer dispositivo Android ou iOS.
  • A Microsoft, totalmente repreendida pelo fracasso do videocassete do Xbox One, voltou ao jogo e protegeu suas apostas com o xCloud.
  • Os jogos para PC ainda são relevantes e ainda o lugar de estreia para gráficos de ponta.
  • O Google, um novato em folha, promete derrubar todo o ecossistema colocando o console na nuvem e permitindo que você jogue com apenas um dongle de TV de US $ 30.
  • A Nintendo ainda age como o agente do caos, só agora fazendo isso a partir de uma posição de força e com um enorme quadro de desenvolvedores independentes prestando atenção.
  • Apple – com certeza, jogue a Apple nessa mistura – talvez finalmente fazendo algo relevante nos jogos com o Apple Arcade e a Apple TV.
  • Oculus (que, devo divulgar novamente, emprega minha esposa) continuando a pressionar a RV e, segundo todas as aparências, está confiante na Quest.

Comparada à corrida para HD, 4K e HDR, essa próxima guerra de console é muito mais interessante – nem é preciso chamá-la de guerra de console.

Em vez disso, temos um monte de empresas no auge de seus poderes competindo em inovação e novas maneiras de distribuir e jogar. O anúncio aparentemente pequeno da Sony sobre resistência dinâmica em um botão de disparo é apenas mais um sinal de que os videogames ficarão estranhos novamente.

Mal posso esperar para ver como isso acontece e espero que tenhamos vários vencedores, não apenas um ou dois. E espero que, no processo, resolver as condições tóxicas de trabalho endêmicas ao desenvolvimento de jogos se torne mais um ponto de competição entre essas empresas.

Mais de The Verge

+ Tudo o que você sempre quis saber sobre a crise de saúde vaping

Mary Beth Griggs fornece essa leitura obrigatória se você vape, conhece uma pessoa que vape, é vape adjacente ou está em qualquer zona relacionada ao vape.

+ Os robôs estão produzindo em massa a refeição do futuro: insetos

Este é um vídeo maravilhoso da Will Poor and Verge Science. (Sim, eu comi os grilos.)

+ Microsofts Seu aplicativo de telefone agora pode rotear chamadas do seu telefone Android para o seu PC

O que a Microsoft está fazendo com os telefones Android no sistema operacional Windows 10 é 10 vezes mais interessante que o Continuity entre o iPhone e o Mac.

+ A Netflix confirma que não portará seu aplicativo para iPad no macOS

Aplicativos do Catalyst: NotGreatBobDotGif

+ Avaliação do Samsung Galaxy Watch Active 2: bom é o melhor que obtém

Eu trabalhei com toda a minha angústia no smartwatch Android. Ainda mantenho que não há uma ótima opção, mas vou me dar bem. Bom está bom.

+ O novo adesivo de azulejo foi projetado para rastrear tudo, de controles remotos de TV a bicicletas

Gostaria de saber o que aconteceria se você colasse um desses novos ladrilhos na espada de Dâmocles do tamanho da Apple, pairando sobre a cabeça da empresa.

+ O cofundador da Essential e Android Andy Rubin acabou de twittar fotos de um telefone misterioso alto e louco

Andy Rubin, o controverso executivo da indústria móvel que co-fundou o Android, deixou o Google em meio a alegações de má conduta sexual enquanto mantinha um enorme pacote de indenizações e depois criou o Essential Phone. está fazendo um telefone novo e estranho.



Source link



Deixe uma resposta