Pego pelo estômago! Golpe no WhatsApp promete cupom de desconto no McDonald’s

Brasil Econômico

Veja também dicas de como se proteger de golpes como esse no WhatsApp

Em novo golpe no WhatsApp, criminosos oferecem falsos cupons de gratuidade em até dois combos na famosa rede de lanchonetes McDonald's

Em novo golpe no WhatsApp, criminosos oferecem falsos cupons de gratuidade em até dois combos na famosa rede de lanchonetes McDonald’s

Foto: shutterstock

Um novo golpe no WhatsApp que está circulando desde quarta-feira (29) já levou muitas pessoas ao erro com a falsa promessa de obter cupons gratuitos para até dois combos de lanches na rede de restaurantes McDonald’s, mas tudo não passa de uma enganação para ganhar algum dinheiro com banners nos sites falsos para os quais os usuários eram levados por engano.

Leia também: Novo golpe pelo WhatsApp oferece ‘cupom promocional’ de R$ 100 no iFood

O golpe no WhatsApp foi notado pela Kaspersky, empresa especializada em segurança digital. A mensagem que circula no aplicativo de mensagens é a seguinte:

“McDonalds está dando cupons gratuitos de 02 COMBOS para celebrar o 78º aniversário. Acabei de receber meu”

Essa mensagem é acompanhada de um link para a página que supostamente dará o desconto, mas quando clica, o usuário é redirecionado para um site falso que informa que tais usuários foram selecionados para uma pesquisa da rede de lanchonetes e que, em troca, os consumidores receberiam cupons de 100% de desconto em dois combos a sua escolha em qualquer unidade do McDonald’s.

Golpe no WhatsApp promete 2 combos de graça no McDonald's se usuários participar de falsa pesquisa e compartilhar a mensagem com seus amigos

Golpe no WhatsApp promete 2 combos de graça no McDonald’s se usuários participar de falsa pesquisa e compartilhar a mensagem com seus amigos

Foto: REPRODUÇÃO/WHATSAPP

A partir daí, os criminosos ainda pedem para que o usuários compartilha a promoção com “todos” seus amigos e grupos no WhatsApp para, então, finalmente ter acesso aos cupons de gratuidade.

<

p class=” “>Mas quando o usuário chega lá, ele é novamente redirecionado para sites cheios de propagandas (anúncios com os quais os criminosos ganham dinheiro apenas pela visualização), oferecem serviços pagos de forma invasiva, instalação de aplicativos com vírus e que podem até roubar dados dos usuários.

Para se proteger de tudo isso, no entanto, o usuário pode adotar algumas medidas para checar se as informações da mensagem que recebeu são verdadeiras ou se a fonte é confiável antes mesmo de clicar no link que pode levar para páginas maliciosa e, acima de tudo, antes de compartilhar a informação com outros usuários.

A ação usa táticas anteriores de golpes nos aplicativos de mensagem, com um tema que gera grande atração dentro da rede social e acaba sendo compartilhado por muitos usuários, como nos casos:

  1. Em que os criminosos usaram o sucesso de filme dos Vingadores para aplicar golpe pelo WhatsApp prometendo um par de ingressos de graça para ver o filme.

  2. Em que os criminosos usaram a proximidade com o Dia das Mães para fazer uma falsa promoção que prometia um kit de produtos do rede de cosméticos O Boticário.

  3. Em que os criminosos usavam a crise de desabastecimento provocada pela greve dos caminhoneiros para prometer uma falsa lista de postos onde ainda havia combustível.

  4. Em que criminosos usavam a liberação de mais uma cota de pagamentos do PIS/Pasep para levar os usuários para uma página falsa que prometia permitir visualizar o saldo dos beneficiários.

  5. Em que criminosos usavam um suposto aniversários do aplicativo de entrega de comida iFood para oferecer um falso desconto de R$ 100 e redirecionar os usuários para páginas maliciosas.

Além disso, o próprio domínio do site usado pelo golpe é o mesmo já visto em ações anteriores no WhatsApp.

Leia também: Com “golpe do vômito”, motoristas do Uber estão lucrando até US$ 150 por corrida

Hoje, com a velocidade de acesso à informação, quase todo brasileiro utiliza SMS ou WhatsApp, inclusive nos negócios, diariamente. Por mês, são milhões de mensagens trocadas entre empresas e seus clientes.

Neste cenário, também aparecem os cibercriminosos que, por meio de mensagens falsas, tentam aplicar golpes a fim de roubar dados pessoais e financeiros dos usuários, afetando a credibilidade desses meios de comunicação sejam eles o WhatsApp, o Messenger, o Telegram ou outros aplicativos de mensagem. Geralmente esses golpistas buscam o caminho mais fácil, em que possam fazer o maior número possível de vítimas, tornando os usuários de SMS e WhatsApp alvos muito cobiçados.

Segundo o diretor geral da Wavy, empresa que oferece o serviço de WhatsApp Business API no Brasil, Eduardo Henrique:

“Os golpes não acontecem apenas por falhas na segurança de aplicativos, mas também por velhas táticas de mensagens com links falsos, também conhecidos por ‘phishing’. Esse é um dos métodos de ataque mais antigos e funciona como uma ‘pescaria’: o cibercriminoso envia uma mensagem quase sempre com um link, esperando que o usuário ‘morda a isca’ e clique nele. O phishing também pode ser caracterizado por sites falsos que pedem dados de visitantes. A armadilha funciona quando, ao entrar neste endereço, o usuário insere seus dados como nome telefone, CPF e informações bancárias”.

Mas, algumas soluções simples podem proteger o usuário dessas situações, como:

1. Confirme se a conta no WhatsApp é verificada

Para confirmar se a conta é verificada, clique em mais informações sobre o números e confirmar se ele possui um “empresa verificada” azul, que credibiliza a conta como sendo oficial.

2. Instale um aplicativo antivírus no seu smartphone (e no seu computador)

Um bom software irá detectar automaticamente links maliciosos e te proteger automaticamente.

3. Não clique em links nem abra anexos de e-mails que possam ser suspeitos

Desconfie sempre de conteúdos estranhos, ainda mais quando você não sabe de onde eles vieram. Se receber links no WhatsApp ou em outros aplicativos de mensagem, verifique se ele vem de uma conta verificada antes de clicar. Na dúvida, não acredite.

4. Não baixe aplicativos ou extensões para os navegadores fora das lojas oficiais

As próprias lojas já fazem uma varredura nos apps oferecidos, minimizando o risco de um software malicioso.

5. Nunca forneça sua senha e seus dados bancários

Jamais envie suas informações pessoais para qualquer contato desconhecido. Lembre-se: bancos nunca solicitam sua senha ou informações pessoais por mensagens. Se mesmo assim ficar na dúvida, confirme com o seu gerente se isso é verdade.

Leia também: Depois de golpe no WhatsApp fracassar, ladrão pergunta à vítima “onde eu errei?”

6. Cheque a informação

Atenção com ofertas “milagrosas”, sempre confira se é verdade nos sites oficiais das lojas ou empresas. Se a informação não estiver nos canais oficiais, provavelmente trata-se de mais um golpe no WhatsApp.



Deixe uma resposta

Powered by Yahoo! Answers