Falar com sotaque local pode fazer com que os robôs sociais pareçam mais confiáveis ​​e competentes, dizem os cientistas

Falar com sotaque local pode fazer com que os robôs sociais pareçam mais confiáveis ​​e competentes

Uma imagem do robô usado para os experimentos. Crédito: Katharina Kühne et al.

Os robôs sociais podem nos ajudar em muitas coisas: ensinar, aprender, cuidar. Como foram projetados para interagir com humanos, foram projetados para nos deixar confortáveis ​​— e isso inclui a maneira como falam. Mas como eles deveriam falar? Algumas pesquisas sugerem que as pessoas gostam que os robôs usem um sotaque ou dialeto familiar, enquanto outras pesquisas sugerem o contrário.

“Surpreendentemente, as pessoas têm sentimentos confusos sobre os robôs que falam um dialeto – alguns gostam, enquanto outros preferem a linguagem padrão”, disse Katharina Kühne, da Universidade de Potsdam, principal autora do estudo em Fronteiras em robótica e IA. “Isso nos fez pensar: talvez não seja apenas o robô, mas também as pessoas envolvidas que moldam essas preferências”.

Falando o que falar

Muitos fatores afetam os níveis de conforto das pessoas com robôs sociais. Os robôs funcionam melhor quando parecem mais confiáveis ​​e competentes, e uma voz semelhante à humana contribui para isso. Mas o facto de essa voz falante utilizar um dialecto ou uma forma padrão de uma língua pode ter impacto na percepção da sua fiabilidade ou competência. O uso da linguagem padrão é muitas vezes visto como mais inteligente, mas falar num dialeto considerado amigável ou familiar pode ser reconfortante.

“Imagine um robô que possa mudar para um dialeto”, disse Kühne. “Agora, considere o que é mais crítico na sua interação com um robô: sentir uma conexão (pense em um bate-papo amigável em uma casa de idosos) ou percebê-lo como competente (como em um ambiente de serviço onde a linguagem padrão é importante).”






Vídeos do robô falando. Crédito: Katharina Kühne et al.

Ich bin ein berlinense

Para testar o impacto do uso do dialeto na aceitação dos robôs, os cientistas recrutaram 120 pessoas que viviam em Berlim ou Brandemburgo para responderem a um inquérito online. Eles pediram aos participantes que assistissem a vídeos em que um robô usando uma voz humana masculina falava em alemão padrão ou no dialeto de Berlim, que é considerado da classe trabalhadora e às vezes é usado pela mídia para dar uma impressão informal e amigável.

“O dialeto de Berlim é geralmente compreensível para a maioria dos falantes de alemão, incluindo aqueles que não são falantes nativos de alemão, mas são fluentes na língua”, explicou Kühne.

Os cientistas pediram aos participantes que avaliassem a confiabilidade e competência do robô e que preenchessem um questionário demográfico incluindo idade, sexo, há quanto tempo moravam em Berlim, quão bem falavam o dialeto berlinense e com que frequência o usavam. A pesquisa registrou automaticamente o tipo de dispositivo que os participantes usaram para visualizar os vídeos – um telefone, um tablet ou um computador.

Falando a mesma língua

Houve uma ligação clara entre confiabilidade e competência, com maior competência percebida prevendo maior confiabilidade percebida. Em geral, os entrevistados preferiram um robô que falasse alemão padrão. No entanto, os entrevistados que se sentiam mais confortáveis ​​com o dialeto de Berlim preferiram o dialeto que fala robô.

“Se você fala bem um dialeto, é mais provável que confie em um robô que fala da mesma maneira”, disse Kühne. “Parece que as pessoas confiam mais no robô porque encontram uma semelhança.”

Os entrevistados que usaram um telefone ou tablet em vez de um computador para ver os vídeos também tenderam a dar classificações mais baixas ao robô que falava alemão padrão. Os cientistas especulam que isto pode dever-se ao facto de os dispositivos pequenos e portáteis significarem que os inquiridos tinham mais distrações dos vídeos e uma maior carga cognitiva, pelo que o sinal de confiança do alemão padrão teve menos impacto.

“Isto deixa-nos sem provas claras a favor ou contra a ideia de que as pessoas que enfrentam desafios podem encontrar mais conforto em robôs sociais que falam num dialeto familiar”, disse Kühne. “Mas se um robô estiver usando a linguagem padrão e for essencial que as pessoas o percebam como competente na interação, pode ser benéfico minimizar a carga cognitiva. Planejamos nos aprofundar testando a carga cognitiva durante as conversas.”

Os cientistas salientaram que falar ou compreender um dialecto pode fazer parte da identidade do grupo, permitindo aos robôs tirar partido do preconceito do grupo: as pessoas tendem a preferir robôs que sejam de alguma forma parecidos com elas. No entanto, o prestígio de um dialeto pode afetar a forma como ele é recebido pelas pessoas que o ouvem.

“O contexto é muito importante nas nossas conversas e é por isso que planeamos realizar mais estudos em situações da vida real”, disse Kühne.

Mais Informações:
“Ick bin een Berlina”: A proficiência do dialeto afeta a confiabilidade e a avaliação de competência de um robô, Fronteiras em robótica e IA (2024). DOI: 10.3389/frobt.2023.1241519

Citação: Falar com sotaque local pode fazer com que os robôs sociais pareçam mais confiáveis ​​e competentes, dizem os cientistas (2024, 29 de janeiro) recuperado em 29 de janeiro de 2024 em https://techxplore.com/news/2024-01-local-accent-social-robots -confiável.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *