Bungie processa Destiny YouTuber por semear caos com falsos direitos autorais

A Bungie processou um Destino jogador que supostamente apresentou dezenas de avisos de direitos autorais falsos em seu nome. A ação judicial, objeto de TheGamePostdiz o criador do YouTube da Califórnia, Nick Minor, que transformou um único aviso de remoção do Digital Millennium Copyright Act (DMCA) em 96 reivindicações fraudulentas contra outros YouTubers.

A reclamação alega que o contratante de “proteção de marca” da Bungie, CSC Global, enviou a Minor um aviso de direitos autorais legítimo em dezembro de 2021, pedindo que ele removesse a música da trilha sonora de Destino expansão O Rei Levado. Minor supostamente respondeu criando uma conta do Gmail que imitava a CSC e, em seguida, preenchendo solicitações semelhantes com um bando de outras contas do YouTube – até mesmo atingindo uma conta oficial da Bungie. Ele se identificou como representante do CSC e exigiu que as contas removessem os vídeos ou enfrentassem ataques de direitos autorais do YouTube.

Enquanto isso, sob seu apelido no YouTube, Lord Nazo, Minor aparentemente executou o que a Bungie chama de campanha de “desinformação” contra o estúdio. Ele alega que ele espalhou relatórios sobre ataques desenfreados de direitos autorais, culpou falsamente a Bungie pela aplicação excessivamente agressiva e distribuiu um “manifesto” que foi “projetado para semear confusão” sobre a legitimidade de todas as solicitações da Bungie DMCA. (Em um editorial à parte, diz que o manifesto “leia como uma carta banal ‘olha o que você me fez fazer’ do serial killer em um romance ruim.”) Ele cita Destino membros da comunidade descrevendo as remoções como “comoventes” e “horríveis”, dizendo que os avisos – que poderiam levar à remoção da conta, se repetidos – os deixaram com medo de postar mais vídeos.

“Noventa e seis vezes, Minor enviou avisos de remoção do DMCA supostamente em nome da Bungie, identificando-se como fornecedor de ‘Proteção de marca’ da Bungie para que o YouTube instruísse criadores inocentes a excluir seus Destino 2 vídeos”, diz a denúncia. “O Destino A comunidade ficou confusa e chateada, acreditando que a Bungie havia renegado a promessa de permitir que os jogadores construíssem suas próprias comunidades de streaming e canais do YouTube em Destino 2 contente.” O Destiny negou publicamente estar por trás do incidente em março e publicou diretrizes destinadas a esclarecer quando solicitaria remoções, dizendo que queria “tornar nossos limites como negócios mais claros”.

A controvérsia ganhou cobertura na mídia de jogos, e a Bungie disse em março que estava investigando o problema. De acordo com a denúncia, identificou Minor ligando os pontos entre os diferentes endereços de e-mail que ele usou ao longo da campanha. Ele alega que a Minor executou a operação como retaliação à solicitação de remoção original e está buscando danos financeiros por difamação, apresentação de avisos falsos da DMCA e – um tanto ironicamente – violação de direitos autorais.

Além das ações individuais de Minor, a Bungie sugere que ele explorou pontos fracos no sistema de denúncias do YouTube. Ele diz que ele conseguiu facilmente se passar por um funcionário da CSC, por exemplo, porque o YouTube exige que todos os relatórios sejam enviados por uma conta do Gmail – não um domínio da empresa que um criador de conteúdo possa verificar. O sistema do Google “permite que qualquer pessoa reivindique estar representando um detentor de direitos para fins de emissão de uma remoção, sem garantias reais contra fraudes”, reclama a Bungie.

Mais amplamente, no entanto, a campanha de Minor funcionou por causa do status da lei de direitos autorais como uma arma poderosa e controversa que pode atingir os YouTubers (e outros criadores de conteúdo da Internet) com pouco aviso e consequências dolorosas. Outros remetentes de “copystrike” usaram o sistema para extorquir canais de notícias de resgate ou censura, e estúdios como a Nintendo impuseram restrições onerosas de direitos autorais em seus jogos no passado. Minor aparentemente deu um passo adiante – armando a reação ao próprio DMCA.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.