Diretor do Callisto Protocol sobre seu retorno ao terror: ‘Não sei o que é muito assustador’

Quando Glen Schofield saiu Chamada à ação desenvolvedor Sledgehammer Games em 2018, ele precisava de uma pausa. O designer de jogos, mais conhecido como o criador da série de terror de ficção científica seminal Espaço morto, decidiu ir para o deserto no Arizona para um pouco de R&R – o que para ele significava criar muitos novos conceitos de jogos. “Eu ia lá e desenhava”, diz ele. “E enquanto eu desenhava, eu estava tendo ideias.” Ele voltou com um livro de 40 páginas que acabaria se transformando em seu retorno ao gênero de terror de sobrevivência: um jogo chamado O Protocolo Calisto.

O jogo — que está sendo desenvolvido pela Striking Distance Studios, uma nova equipe sob a égide da PUBG empresa Krafton – foi anunciado pela primeira vez em 2020 e, na semana passada, um novo trailer horrível foi revelado no Summer Game Fest. (Foi carinhosamente chamado de “corte de Schofield.”) Schofield diz que está procurando voltar ao terror há um tempo, e o desejo ficou mais forte enquanto trabalhava no modo zumbi por Chamada à ação.

“Eu só queria contar uma história diferente”, diz ele. “Eu penso nisso como Ridley Scott; ele fez Estrangeiro e depois voltou a fazer Prometeu. É algo que você gosta de fazer. Não vejo muitos filmes de terror de ficção científica porque são muito caros de fazer. E é provavelmente o meu gênero favorito. Então pensei: ‘Vamos ver se conseguimos trazê-lo de volta’”.

O Protocolo Calisto se passa no ano de 2320 em uma colônia de prisão alojada em uma das luas de Júpiter, onde os jogadores têm que escapar assim que os outros presos estão se transformando em estranhos monstros alienígenas. (O cenário era originalmente para ser uma parte distante do PUBG universo, embora isso não seja mais o caso. “A história estava indo em uma direção diferente”, diz Schofield sobre a mudança.) Essa premissa, juntamente com vários outros recursos – como jogabilidade que envolve desmembrar inimigos e uma interface diegética que inclui uma barra de saúde disfarçada como uma tatuagem de código de barras da prisão — fez comparações imediatas com Espaço morto. E isso é algo que Schofield aceitou ao longo da criação do jogo.

“No começo, eu pensava: ‘Ah, não, isso é Espaço morto,'” ele explica. “Mas depois de um tempo, eu fico tipo: eu não quero um HUD, então é copiar Espaço morto? Eu quero que ele pise – isso é copiar Espaço morto? Pode ser. Mas também é meu DNA. Eu não queria simplesmente cortar tudo. Então, fiquei um pouco mais aberto à ideia à medida que avançamos no desenvolvimento.”

A grande diferença desta vez, diz ele, é a tecnologia, embora não tenha mudado tudo. “Já somos 3D, então não é como se isso fosse mudar a jogabilidade de repente”, diz Schofield. Em vez disso, o estado atual dos consoles e PCs significa que sua equipe pode criar um mundo mais crível – algo que é particularmente importante para o terror. Isso inclui ter monstros alienígenas mais críveis, design de som mais imersivo e poder lançar muito mais efeitos visuais na tela. Mas uma das coisas mais importantes é quanto mais detalhes eles podem colocar no mundo.

“O realismo ajuda o lado da ficção científica, que muitas vezes as pessoas não acreditam”, diz Schofield. “Mas hoje em dia, você pode enferrujar ou ter água pingando das coisas, e o jogador fica tipo, ‘Eu não tenho ideia do que é essa coisa, mas cara, parece real.’ Está fundamentando a ficção científica.”

O Protocolo Calisto.
Imagem: Striking Distance Studios

Um dos desafios, porém, é garantir que o jogo seja adequadamente assustador. Como um fã confesso de terror, Schofield é muito mais insensível do que a pessoa média. (O mesmo é verdade para muitos outros membros da Protocolo Callisto equipe.) “Há momentos em que não sabemos se é assustador ou não”, diz ele. Não ajuda que Schofield veja os cenários do jogo através de várias fases, desde protótipos de caixa branca até jogabilidade interativa totalmente desenvolvida. Isso pode tirar um pouco do soco deles. Atingir o nível certo de assustador, então, envolve muitos testes e ajustes com base no feedback do jogador.

A inspiração, por sua vez, vem de muitos lugares, inclusive do cinema. “Eu assisto muito horror”, diz Schofield. “E muito disso não me afeta. Mas, há alguns que realmente me pegaram… e eu fiquei tipo, ‘Uau, cara.’ Se eles me afetarem, você sabe que afetarão os jogadores.” (Em um ponto durante nossa conversa, Schofield menciona ter almoçado com o diretor de terror Eli Roth, onde os dois discutiram os efeitos sonoros envolvidos no corte do nervo óptico de um globo ocular com uma tesoura no primeiro Hostel Mas, além de extrair filmes, Schofield observa, “muito disso vem da imaginação de nosso diretor de criação, Chris Stone. Às vezes digo a ele: ‘Preciso de mais dois [deaths]’, ou direi: ‘Quero que a cabeça seja arrancada’”.

No entanto, uma coisa que eles não testam é se uma morte ou susto vai longe demais na outra direção. “Quanto mais assustador, melhor”, explica ele. “Eu não sei o que é muito assustador.”

O Protocolo Calisto deve ser lançado em 2 de dezembro e chega em um momento em que parece haver um ressurgimento de jogos de terror de ficção científica. Há Forte Soliso retorno de Rotinauma nova Alienígenas expansão, e até mesmo uma remasterização do original Espaço morto. Schofield entende que haverá muitas comparações, mas ele também parece confiante de que seu mais recente empreendimento de terror ficará por conta própria. “Você pode entrar como ‘Ei, isso é Espaço Morto 4‘”, diz ele, “mas acho que quando você sair, você vai dizer ‘Não, isso é Protocolo Callisto.’”



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.