O órgão de vigilância linguística da França emite um decreto: não é esports, é ‘jeu video de Competition’

A Académie Française, órgão de vigilância linguística nacional da França, proibiu o uso oficial de várias frases emprestadas do inglês para descrever o mundo dos jogos.

Em vez de “esports”, os funcionários do governo devem se referir a “jeu video de Competition”. Em vez de falar de “pro-gamers”, eles devem discutir a atividade do “joueur professionnel”. E em vez de “streamers”, eles devem se referir ao “joueur-animateur en direct” – e assim por diante.

As mudanças, relatadas pela AFP, foram feitas em coordenação com o Ministério da Cultura francês e publicadas no almanaque jurídico oficial do governo, o Jornal oficial. Isso torna as mudanças obrigatórias para funcionários do governo, embora não para o público em geral.

É a mais recente batalha na batalha secular da Académie para manter a pureza da língua francesa, particularmente das toxinas inglesas. A instituição é uma das mais antigas da França e foi fundada em 1635 pelo poderoso político Cardeal Richelieu, que buscava centralizar as funções do Estado francês. Como resultado, as atribuições da Académie incluem a promoção da literatura francesa, bem como a manutenção do dicionário oficial do país, que é emitido para instituições governamentais e organizações similares.

Artista francês Jean-Michel Othoniel entra no Institut De France cujos membros são conhecidos como imortais na França

A Académie Française é composta por apenas 40 membros, conhecidos como les immortels ou “os imortais”. Eles têm um uniforme muito elegante.
Foto de Luc Castel/Getty Images

Os deveres da Académie tornaram-se particularmente desafiadores nos últimos anos, pois o domínio do setor de tecnologia dos EUA semeou termos em inglês em solo francês. No passado, a Académie teve que inventar uma série de equivalentes em francês para palavras e frases nascidas da nova tecnologia: de “hashtag” (“mot-dièse”) a “sexting” (“textopornographie”) e até “email” ( “correio”).

Em um relatório publicado no início deste ano, a Académie alertou que o uso crescente de termos ingleses e híbridos “Franglais” pode ter efeitos desastrosos na língua francesa e criar novas barreiras à comunicação.

“Muitos anglicismos são usados ​​no lugar de palavras ou expressões francesas existentes, levando inevitavelmente ao apagamento gradual dos equivalentes franceses”, disse o relatório. “Além da moda e do esporte, a internet e o campo digital são, sem surpresa, os mais fortes e visivelmente ‘anglicizados’”.

Embora o trabalho da Académie seja definitivamente prescritivo e não descritivo, certamente não exerce autoridade inconteste sobre os próprios falantes de francês. Os linguistas descobriram que suas tentativas de eliminar as palavras emprestadas em inglês nem sempre são bem-sucedidas, e a publicação francesa em inglês O local observa que os fracassos recentes da Académie incluem uma tentativa de renomear “le wifi” como “l’access sans fil à internet”. O termo nunca pegou — ut c’est la vie.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.