Os 8 principais documentários LGBTQ+ para transmitir (março de 2023)

A representação da comunidade LGBTQIA+ na mídia deu alguns passos nos últimos anos, mas ainda não é perfeita. Seja no Mês do Orgulho e você queira aprender mais ou se quiser se tornar um aliado melhor, vale a pena saber o que foi feito e como chegamos onde estamos hoje. Os documentários estão disponíveis em várias plataformas de streaming, e você pode usar um dispositivo de streaming para assisti-los com os amigos. Reunimos alguns excelentes documentários que mostram as lutas e os sucessos da comunidade LGBTQ.

ANDROIDPOLIC VÍDEO DO DIA

Os tempos de Harvey Milk (1984)

Harvey Milk foi um político e o primeiro funcionário eleito abertamente gay na história da Califórnia. Os tempos de Harvey Milk segue a vida de Harvey enquanto ele trabalha para ser eleito membro do conselho de supervisores de São Francisco. Depois de tentar sem sucesso três vezes, ele foi finalmente eleito para o conselho de supervisores em 1977, depois que San Francisco mudou seus métodos de votação. Depois de assumir o cargo, Milk entrou em conflito com outro supervisor, Dan White, ao longo de sua carreira. Depois de aprovar um projeto de lei patrocinado por Milk proibindo a discriminação em espaços públicos e escritórios aos quais White se opunha exclusivamente, White assassinou Milk e o prefeito George Moscone.

O filme foi inscrito no National Film Registry em 2014 devido ao seu significado histórico e cultural para os EUA.

HBO Max

Um Amor Secreto (2020)

Uma Liga Própria é um filme bem conhecido sobre a All-American Girls Professional Baseball League que existiu nos anos 40 e 50. Enquanto este filme explorou um grupo sub-representado jogando beisebol na época, um subconjunto importante de jogadores foi inexplorado: lésbicas. um amor secreto explora o relacionamento de um desses jogadores, Terry Donahue, e seu parceiro Pat Henschel. Depois de se conhecerem em 1947, eles se deram bem e formaram uma parceria para toda a vida, que mantiveram em segredo da maioria das pessoas ao seu redor por cerca de 65 anos.

O filme entrevista os dois e discute o relacionamento deles e suas dificuldades ao longo da vida. Materiais de arquivo, como fotos e vídeos caseiros, contam a história da vida dos dois. Enquanto eles tiveram que lidar com muita homofobia durante suas vidas, eles finalmente puderam celebrar seu relacionamento publicamente desde que se assumiram na década de 2010. Terry faleceu em 2019 depois de se casar com Pat em 2015, mas esta história emocionante é uma ótima visão do legado que eles deixaram para trás.

Netflix

Paris está em chamas (1990)

Nos anos 80, na cidade de Nova York, pessoas de muitos grupos oprimidos, como as comunidades gay e latina, participavam de bailes. As bolas são um concurso em que os participantes tinham que “andar” como um modelo de passarela enquanto eram julgados com base em certos critérios, como o quanto eles se pareciam com o sexo ou grupo que estavam tentando retratar. Paris está em chamas explora a cultura da bola e as pessoas envolvidas.

O filme inclui imagens de arquivo de bailes reais e entrevistas com figuras proeminentes desses eventos, como Angie Xtravaganza e Pepper LaBeija. Por meio dessas entrevistas, muito se explora sobre as questões enfrentadas por esses grupos na época, como homofobia, racismo e violência. O filme também explora as subculturas latina e afro-americana que desempenharam um papel importante nesses bailes.

Paris está em chamas recebeu o nome do baile Paris is Burning, organizado anualmente por Paris Dupree. O filme e sua diretora Jennie Livingston receberam ótimas críticas na época e ainda detém uma pontuação de 98% no Rotten Tomatoes. O filme ganhou muitos prêmios no início dos anos 90 e recebeu a honra de ser preservado no National Film Registry em 2016.

HBO Max

Antes de Stonewall (1984)

Para aqueles que estão fazendo sua primeira incursão na história da cultura gay nos Estados Unidos, Antes de Stonewall: a construção de uma comunidade gay e lésbica é um filme imperdível. O filme analisa a comunidade LGBT antes dos eventos dos motins de Stonewall. Os motins de Stonewall, que ocorreram na cidade de Nova York, são amplamente considerados o início do movimento pelos direitos dos homossexuais nos Estados Unidos.

Como o filme é dos anos 80, pode parecer um pouco desatualizado. Ainda assim, seu olhar sincero sobre a vida das pessoas antes de Stonewall (e dentro de uma cultura onde estar fora do armário estava longe de ser a norma) é um belo e comovente lembrete de que a comunidade LGBT sempre existiu e se esforçou para pertencer e ser aceita. Antes de Stonewall é um documentário premiado que foi arquivado na Biblioteca do Congresso após o 50º aniversário dos motins de Stonewall por seu significado cultural.

vídeo principal

Os Filhos de Tennessee Williams (2010)

Tennessee Williams (mais conhecido por Um Bonde Chamado Desejo) é um dos dramaturgos americanos mais influentes do século XX. Ele também era gay, um segredo aberto para todos ao seu redor, e até escreveu uma peça sobre drag queens que nunca foi publicada enquanto ele estava vivo. Como um ícone fundamental do entretenimento gay, ele é uma inspiração para artistas gays, como evidenciado pelo filme Os Filhos de Tennessee Williams.

O filme não tem nada a ver com seu trabalho, mas o legado que Williams deixa está em plena exibição. O filme segue cinco décadas de bailes de carnaval gay em Nova Orleans. Ele mostra como os participantes gays suportaram a discriminação e o preconceito da polícia para comemorar o Mardi Gras do jeito que queriam.

Tubi

Matt Shepard é um amigo meu (2014)

Matt Shepard, um gay de 21 anos, foi assassinado enquanto estava na escola em Wyoming em 1998. Seu assassinato chamou a atenção nacional e lançou uma luz sobre a hostilidade que as pessoas LGBT enfrentavam todos os dias. Matt Shepard é um amigo meu dá uma olhada nos bastidores da vida de Matt enquanto amigos e familiares refletem sobre ele. É um olhar íntimo, trágico e contundente sobre a dor que o fanatismo e a intolerância podem infligir. Vale a pena assistir, já que o documentário ganhou uma série de prêmios quando foi lançado em 2014.

Plutão TV

Divulgação (2020)

Divulgação: Trans Lives On Screen é um documentário da Netflix que explora a representação de pessoas trans no cinema e na televisão, para o bem e para o mal. Apresenta proeminentes artistas trans e acadêmicos como Laverne Cox (de Laranja é o novo preto fama), Susan Stryker, Chaz Bono e Lily Wachowski.

Divulgação destaca a importância da representação positiva e como a mídia pode moldar as mentes dos jovens e as visões culturais dos grupos.

Netflix

Como sobreviver a uma praga (2012)

Como sobreviver a uma pragado diretor David France, segue os grupos ativistas ACT UP (The AIDS Coalition to Unleash Power) e TAG (Treatment Action Group) em busca de ajuda para gays afetados durante a epidemia de AIDS. O filme cobre os primeiros anos da crise da AIDS até meados dos anos 90. Ele destaca o quão ineficaz e apático o governo dos Estados Unidos foi ao tratar algo que eles pensavam afetar apenas os gays. O ativismo de ACT UP e TAG melhorou as condições, mas a falta de consideração pela vida humana é desanimadora.

O filme é ainda mais difícil de assistir à medida que o mundo continua emergindo de outra pandemia, mas é uma peça importante para entender os problemas mais amplos que a comunidade LGBTQ enfrentou ao longo dos anos. Como sobreviver a uma praga foi indicado ao Oscar e ganhou vários prêmios em seu lançamento.

Tubi

Veja a representação queer por toda parte

É muito bom conhecer nossa história para não repetirmos os erros do passado. Esses documentários, juntamente com o crescente número deles, destacam as lutas que a comunidade LGBTQ+ tem enfrentado. Para mais conteúdo inclusivo LGBTQ+, confira nossos jogos favoritos inclusivos LGBTQ na Play Store.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *